.mais sobre mim

.Calendário

.posts recentes

. Estranho

. Sou tão inconstante!

. Alicia Keys - No One

. Tomar decisões e fazer es...

. I Kissed a Girl

. If I were a boy

. Alguem soy yo

. Confusão

. "Confusão Sentimental..."

. Reviver

.links

.arquivos

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Maio 2009

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

.pesquisar

 

.Rádio

.As minhas visitas

.tags

. todas as tags

Segunda-feira, 22 de Janeiro de 2007

Desamor

 Apesar de tantos sonhos maravilhosos,
de tantas declarações e juras de eterno amor,
nos perdemos no decorrer do tempo
na rotina que transforma abraços em simples formalidades,
beijos apaixonados em pequenos toques de lábios, que não significam mais nada...

Onde nos desencontramos?
Onde foi que o amor começou a desaparecer?
Onde nos transformamos meros conhecidos?
Em que parte da estrada um de nós deixou de seguir?
Onde nossas mãos se separaram?

Se o tempo não tem sido mais o nosso melhor amigo,
se as nossas juras já são desprezadas,
porque insistimos tanto nesse relacionamento?
Medo da solidão? Medo do vazio?
Onde nós deixamos de nos amarmos realmente,
para representar um papel na vida do outro?

Você tem coragem de olhar no espelho
e se perguntar, sem medo da resposta:
-ainda existe amor?
Enquanto isso, muitos vão vivendo,
carregando casamentos, namoros e noivados,
como se fossem fardos, costumes, sentenças...

E nos perdemos na longa estrada do tempo,
que vai transformando qualquer grande amor,
em quase nada, em lembranças de tempos melhores,
restos do que fomos, trapos de sonhos
e nos transformamos de apaixonados em acomodados,
e vamos morrendo pouco a pouco, porque aceitamos migalhas,
nos contentamos com o que sobrou.

E assim, termina mais um dia de rotina,
que tira o que é o nosso melhor:
a chama no olhar e o desejo tão simples
de ser feliz.
Descubra rapidamente, onde as mãos se separaram...


tags:
Cláudia às 12:23
| comenta | favorito